Como se faz um bom aluno?

As boas notas começaram a surgir no 10.º ano quando ingressou na Escola Secundária Aurélia de Sousa, no Porto. Até lá chegar, Jorge (nome fictício) era um “aluno médio”. Do tipo: chega o três; não é preciso estudar para o quatro. Qual a razão para a mudança? Ao fazer o exercício de olhar para trás,[…]

“Os bons resultados na avaliação externa resultam de uma combinação de vários fatores”

Em contexto de sala de aula é desejável conseguirmos conquistar o grupo-turma com metodologias ativas e participativas. O trabalho colaborativo e cooperativo entre docentes, bem como a interdisciplinaridade, podem enriquecer estas dinâmicas pedagógicas. No entanto, todos nós sabemos que cada aluno é uma combinação única de diferentes catalisadores internos, como a motivação intrínseca e ascapacidades,[…]

E se a escola fosse como construir um pára-quedas

Reinventar a escola, é preciso. A lógica “industrial” que existe está desajustada. As rotinas instaladas, minam tudo e a todos afetam. A ideia do pára-quedas é a que me ocorre, como metáfora para reinventar a escola. As escolas, como construtoras do pára-quedas. Todo o potencial de conhecimento, de tecnologia está nela. Mas é preciso que[…]

Para uma participação cívica plena

  Estimulando nos alunos a formulação de previsões, a observação atenta, a execução ordenada de tarefas, a análise de ações, a organização e representação de informação e a apresentação de conclusões, as atividades experimentais assumem, na escola, um papel ímpar de criação de contextos riquíssimos de aprendizagem e de desenvolvimento, não apenas ao nível concetual[…]

O projeto Fénix no primeiro ciclo de escolaridade

A ação do projeto Fénix no primeiro ciclo de escolaridade permite colmatar e apoiar os alunos com diferentes níveis de proficiência o mais precoce possível. Deste modo, evita-se por um lado o agravar e acumular dificuldades, com o apoio em pequenos grupos do professor titular e exploram-se por outro, as capacidades de todos os alunos.[…]

O meu coração é verde como a relva molhada quando o sol brilha

  “(…) Depois da motivação de que fui capaz, propus à turma que escrevesse uma frase sobre esta ideia: “Cada um é da cor do seu coração”.(…) Melhor dizendo, disse aos alunos que, olhando cada um para si, escrevesse uma frase em que falasse da cor do seu coração. Temos andado a estudar o “Cavaleiro[…]

As pessoas suficientemente loucas para acharem que podem mudar o mundo são as que o mudam

“As pessoas suficientemente loucas para acharem que podem mudar o mundo são as que o mudam” (Steve Jobs). Permanecemos num tempo em que a escola mostra dificuldades em dar respostas aos novos e permanentes desafios do mundo contemporâneo. Sentimos a urgência da mudança no seu interior. Observamos sistematicamente no nosso quotidiano alguma inércia existente no[…]

Sobre uma Educação para a Cidadania Ativa

  É possível definir algumas orientações para uma Educação para a Cidadania ativa, com incidência nos domínios – institucional e pedagógico: fomentar um ambiente escolar participativo; favorecer o estudo, o reconhecimento e o respeito das diferenças; redefinir as competências dos participantes e os estilos de representação; criar espaços de debate e de discussão; conceber o[…]

Os tempos da escola…

  Na passada segunda-feira assisti ao programa televisivo na RTP1 de Fátima Campos Ferreia. Um Especial Informação à volta do tema Saber Educar. Vários especialistas fortemente ligados à Educação debateram durante perto de duas horas várias questões importantes e que levaram com certeza a muitas outras reflexões. Um dos convidados, o Professor Carlos Fiolhais referiu-se[…]