O FÉNIX E O EMPIRISMO. O CONHECIMENTO PELOS SENTIDOS

“Diz-me e eu esquecerei, ensina-me e eu lembrar-me-ei,  envolve-me e eu aprenderei.” Provérbio chinês   Mais um encontro, mais um dia para pensar juntos! Em equipa nasce a proposta que depressa floresce e dá frutos! Alicerçados no princípio que os alunos aprendem se envolvidos, despertamos a sua motivação. Percebemos que os alunos têm inerente a[…]

“Os bons resultados na avaliação externa resultam de uma combinação de vários fatores”

Em contexto de sala de aula é desejável conseguirmos conquistar o grupo-turma com metodologias ativas e participativas. O trabalho colaborativo e cooperativo entre docentes, bem como a interdisciplinaridade, podem enriquecer estas dinâmicas pedagógicas. No entanto, todos nós sabemos que cada aluno é uma combinação única de diferentes catalisadores internos, como a motivação intrínseca e ascapacidades,[…]

E se a escola fosse como construir um pára-quedas

Reinventar a escola, é preciso. A lógica “industrial” que existe está desajustada. As rotinas instaladas, minam tudo e a todos afetam. A ideia do pára-quedas é a que me ocorre, como metáfora para reinventar a escola. As escolas, como construtoras do pára-quedas. Todo o potencial de conhecimento, de tecnologia está nela. Mas é preciso que[…]

O projeto Fénix no primeiro ciclo de escolaridade

A ação do projeto Fénix no primeiro ciclo de escolaridade permite colmatar e apoiar os alunos com diferentes níveis de proficiência o mais precoce possível. Deste modo, evita-se por um lado o agravar e acumular dificuldades, com o apoio em pequenos grupos do professor titular e exploram-se por outro, as capacidades de todos os alunos.[…]

Em cada aluno, mora uma pessoa única!

A pessoa humana, cada pessoa, está no centro de toda a actividade educativa: em cada aluno, em cada profissional, em cada idoso com que deparamos mora sempre uma pessoa única, com uma dignidade inalienável e inviolável, que está acima e antes de qualquer enquadramento institucional ou função social. A educação é essa “arte” de promover[…]

As pessoas suficientemente loucas para acharem que podem mudar o mundo são as que o mudam

“As pessoas suficientemente loucas para acharem que podem mudar o mundo são as que o mudam” (Steve Jobs). Permanecemos num tempo em que a escola mostra dificuldades em dar respostas aos novos e permanentes desafios do mundo contemporâneo. Sentimos a urgência da mudança no seu interior. Observamos sistematicamente no nosso quotidiano alguma inércia existente no[…]

Sobre uma Educação para a Cidadania Ativa

  É possível definir algumas orientações para uma Educação para a Cidadania ativa, com incidência nos domínios – institucional e pedagógico: fomentar um ambiente escolar participativo; favorecer o estudo, o reconhecimento e o respeito das diferenças; redefinir as competências dos participantes e os estilos de representação; criar espaços de debate e de discussão; conceber o[…]

É preciso tempo para aprender

Perante os desafios e exigências colocadas à Escola e para que esta possa contribuir com respostas eficazes e adequadas à complexidade de que estes se revestem, é imprescindível poder contar com docentes que acreditam no seu poder e nas suas capacidades de transformação, de recriação e de (auto)regulação da sua prática. Neste sentido, o Projeto[…]